quarta-feira, 6 de julho de 2011

Justiça e luta de classes




Justiça e luta de classes




Habeas corpus

Para rico:

Pois não, Excelência... Que injustiças fizeram com o senhor. Lambe a sola dos sapatos. Houve algum engano... Recebe gorda propina. Um lamentável erro que as instituições do país não devem jamais permitir sequer a hipótese.


Para pobre:

Quem você pensa que é? Antes de ouvir a resposta. Indeferido! Fora daqui, escória. Seu cheiro e suas vestes emporcalham este Fórum.



Presunção de inocência

Para rico:

Logo se vê que a acusação é falsa. Homem de boa família e reputação ilibada. Vamos indenizá-lo por esse constrangimento. Para o rico. Deposite o meu na conta de sempre. Assim que eu gosto. Tudo no seu lugar. Para o público. Recomendações, excelência.


Para pobre:

Onde você escondeu o presunto? Que história é essa de que é inocente e não estava lá? Para os seguranças. Recolham o facínora despudorado.



Prescrição de pena

Para rico:

Excelência, como o senhor foi incomodado todos essas décadas, merece uma indenização polpuda. Para o rico. Lembre-se de nossos préstimos, zelo e carinho por sua pessoa... A conta é a mesma de sempre.


Para pobre:

Reabram o processo. Alguma coisa esse infeliz fez no meio do caminho para ser condenado. Além do mais, quem vai se importar?



Transitado em julgado

Para rico:

Parabéns senhor, sua vitória é da Justiça. Para o rico. Dessa vez mande para a conta número 2. A outra ficou manjada...


Para pobre:

Desgraçado. Pensou que iria infestar a sociedade para sempre? Vai apodrecer na cadeia, lugar típico de gentinha de seu estrato.



Crime do colarinho branco

Para rico:

Para o rico. Fico admirado com sua desenvoltura no atacado. Somente tacadas graúdas! O de sempre na conta 3. A 1 e a 2 estão manjadas.


Para pobre:

Caso tivesse, esse estropiado teria o colarinho encardido... Não tem provas? E daí? Ninguém vai querer saber do paradeiro desse infeliz. Ademais, a imprensa precisa confirmar nossa agilidade e presteza em resolver os problemas e dar segurança e satisfações à sociedade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário