segunda-feira, 5 de setembro de 2011

62 dos 100 maiores contribuintes da CPMF jamais haviam pagado IR – Imposto de Renda


62 dos 100 maiores contribuintes da CPMF
jamais haviam pagado IR – Imposto de Renda.




O imposto sobre cheques é eficiente e consegue taxar os ricos, eternos fugitivos de obrigações sociais.

62 dos 100 maiores contribuintes da CPMF jamais haviam pagado IR – Imposto de Renda.

Os assalariados pagam 4,5 vezes mais IR do que os bancos.

Quando reproduzimos as falas de Veja, Folha de S. Paulo, Estadão, Globo etc. (ou seja, do PIG), execrando a CPMF, defendemos a sonegação, a isenção para as grandes fortunas e toda espécie de maracutaia que a falta de fiscalização permite ao deixar o dinheiro circular no sistema bancário sem regulamentação.

A ladainha primitiva de que “pagamos impostos à toa”, não se sustenta por um segundo quando as pessoas precisam de atendimento médico e escolar de qualidade e estes serviços não encontram recursos por conta das exonerações escandalosas aos rentistas.

1% de redução na Selic (taxa básica de juros) representa economia de R$ 20 bilhões para o Estado brasileiro. Em outros termos, somando o orçamento do Ministério da Educação de R$ 63,7 bilhões (2011) e o do Ministério da Saúde, de R$ 74,2 bilhões (2011), temos R$ 137,9 bilhões para atender dezenas de milhões de brasileiros. O Brasil gasta anualmente com juros da dívida pública, somente juros, mais de R$ 200 bilhões, para locupletar 20 mil famílias rentistas.

Vivemos numa ditadura financeira em que a desproporção nas cobranças é uma afronta à aritmética elementar. 12,9 milhões de famílias (aproximadamente 50 milhões de pessoas) recebem benefícios do Programa Bolsa Família. O orçamento para este Programa é de R$ 16,5 bilhões (2011). Os juros anuais consomem 12,12 vezes mais (R$ 200 bilhões) para 20 mil famílias do que para 12,9 milhões de famílias (50 milhões de pessoas).

R$ 154,4 bilhões (Saúde, Educação, Bolsa Família - para dezenas de milhões de pessoas) contra R$ 200 bilhões (juros anuais - para 20 mil famílias rentistas: apenas juros!).

Quando falamos em corrupção, não podemos deixar de mencionar estes números. As leis favorecem os que não precisam e atormentam os prejudicados. A "bolsa banqueiro" é um caso exemplar dos privilégios dos endinheirados às custas da miséria e da pobreza. Pois esses dados significam a degradação de uma sociedade que se esfalfa todos os dias para dar conforto e riqueza aos ricos, retirando acintosamente o pão dos pobres, sob pretexto de que estes são vagabundos e devem trabalhar para comer.

Seguindo o receituário aplicado aos outros, por que os ricos não começam a trabalhar e saem das costas da imensa maioria do povo?

Senhores ricos, é hora de trabalhar e parar de parasitar sobre os brasileiros que labutam diariamente para encher contas bancárias bilionárias nutridas pelo esforço alheio.




Conheça como funciona a Yuan-Mind:

A Guerra de Yuan narra a história de um intrigante personagem do futuro e de um sombrio mundo de autômatos fortemente moldados e cerceados pelos meios de comunicação, cuja função massificadora é claramente ligada à concentração de um poder central nas mãos da Yuan-Mind,  empresa que controla as engrenagens do mecanismo totalizante e esmagador de Yuan.

Um comentário: