sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Avô do Dr. Toicinho dá um pito na nova geração do PIG



Avô do Dr. Toicinho dá um pito na nova geração do PIG

Matusalém Toicinho

Exausto de observar as trapalhadas dos herdeiros, o avô do Dr. Toicinho, Matusalém Toicinho, recolhido há séculos em suas mansões espalhadas pelo país, resolveu participar da Assembleia Piguiana ocorrida em caráter emergencial na madrugada de 25 de novembro de 2011.

Os grunhidos incompreensíveis e baixos precisaram ser modulados por engenhocas eletrônicas para que a plateia pudesse acompanhar o discurso do patriarca ancestral da famiglia.

Sem meias-palavras, Matusalém Toicinho assevera que o PIG não deve ceder sequer uma linha no enfrentamento partidário com o governo federal, ou seja, deve honrar o próprio nome, Partido da Imprensa Golpista.

Cada emissora da Rede PIG, assegura com insistência, tem a obrigação de desmontar imediatamente as invenções de blogueiros sujos e insolentes que tumultuam o país com sua linguagem incendiária e indecente.

Conclama os presentes, ademais, para radicalizarem e anunciarem, em todos os jornais e revistas da Rede PIG, o insidioso plano de sequestro da estátua do Cristo Redentor. Nas edições seguintes, a autoria seria indicada por investigações subsidiadas pelo perito factótum piguiano, Molina Money, pronto a provar quaisquer coisas, mormente as impossíveis.

Abaixo, os principais trechos do discurso:

“Detesto amadorismo! Que história é essa de mostrar a mancha da Chevron? Pensem nos enormes dividendos se apagarmos do noticiário o que não interessa para nossos amigos.”

“Não quero saber nem de nota de rodapé sobre escândalos no Metrô de São Paulo, das propagandas da Sabesp que passam em outros estados em que ela não presta serviços, das emendas compradas na Assembleia Legislativa de São Paulo, da insana reportagem de Cesar Tralli no Jornal Nacional mostrando como nosso amigo Dantas subornou um agente da Polícia Federal etc.”

PS: o “etc.” acima compreendia mais de duas horas de menções aos malfeitos bicudos e de compadres que não podem ser exibidos nem por um milionésimo de segundo nas publicações das empresas da Rede PIG. O Departamento de Censura Prévia dos conglomerados piguianos, o DECEPA, será reformulado e terá a incumbência, ainda mais expandida, de apagar, distorcer, manipular, e o que mais for necessário, para manter intacta a imagem midiática criada pelos partidários do reacionarismo tupiniquim, ideólogos da entrega do país a estrangeiros “generosos”.




Índices PSDB: de inflação, de truculência e de corrupção

http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/2011/11/indices-psdb-de-inflacao-de-truculencia.html







PIG - Jornalismo para iniciantes. Escola brasileira do PIG. Murdoch - Journalism for beginners. Murdoch's English School.

http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/2011/09/pig-jornalismo-para-iniciantes-escola.html


#VejaInvaders: Quadrilha Editorial quer invadir privacidade. Camareira conta tudo.

http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/2011/08/vejainvaders-quadrilha-editorial-quer.html


República de verdade é livre. Não tem PIG.

http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/search?q=invas%C3%A3o


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Pré-sal e pré-tontos


Pré-sal e pré-tontos 



Todos sabem que o petróleo do Pré-sal brasileiro é cobiçado por multinacionais.

Segundo o WikiLeaks, a Chevron tinha acertos com o então candidato do PSDB, José Serra, para que ela tivesse um retorno vantajoso com a eleição dele.

Inicialmente, o PIG desconsiderava a descoberta daquela generosa abundância de energia oferecida pela natureza ao Brasil.

Depois, não tendo mais o que fazer para esconder a realidade, o PIG resolveu dizer que o Brasil deveria pedir auxílio às empresas estrangeiras, pois o país não teria "know-how" para extrair o ouro negro das profundezas do mar.

Agora, a Chevron comparece outra vez de forma suspeita contra interesses brasileiros. Teria ela, às escondidas, procurado servir-se de nosso Pré-sal, sem autorização, e produzido esse acidente?

Ou, talvez, criar um problema ambiental de grande magnitude para gerar protestos de ambientalistas e dissuadir o governo brasileiro de explorar a imensa reserva?

Quer dizer, cria-se um desastre, como quem “não quer nada”, para posteriormente alegar que a Petrobras (empresa indigitada primeiramente pelo PIG como responsável pela insensatez da Chevron) não tem condições de levar adiante o trabalho.

Daí, nas próximas eleições, surge um entreguista qualquer, com sua campanha moralista-reacionária financiada por empresas estrangeiras interessadas, e resolve transferir "para o bem do Brasil" o controle desse manancial para mãos mais "seguras".

Não somos pré-tontos, como o PIG nos interpreta.

Ficaremos alertas!



Chevron: sua marca e seu homem no Brasil



quarta-feira, 23 de novembro de 2011

USP: Militarização e privatização


USP: Militarização e privatização

F. ALAMBERT, F. DE OLIVEIRA, J. GRESPAN, L. SECCO, L. MARTINS E M. SOARES


Com o atual reitor, notamos a aceleração da fratura social e política da USP; para haver paz e concórdia, precisamos caminhar para uma estatuinte.

As razões da militarização do campus da USP transcendem os limites e dados recentes a partir dos quais tem sido discutida.

Por que não propor a mudança do teor ermo e rural do campus por sua urbanização efetiva, o aumento de cursos noturnos etc.?

Em vez disso, a reitoria traz coturnos, controles e revistas, rasantes de helicópteros, que rasgam o pensamento e a escuta (que atenção resiste à rotação das hélices?), e bombas; logo virão cães... Insiste em ações de respostas e sequelas imprevisíveis. Já se tem os vultos cauta e justamente encapuzados dos nossos estudantes contra a reitoria ditatorial e policialesca.

Por que a insistência no trauma, na indignidade, no modo custoso e descabido? A verdade é que a militarização, ou terceirização da segurança, deriva da privatização em curso da USP.

Combina-se ao sucateamento, no campus, do hospital, da moradia estudantil e do transporte, aos cursos pagos e escritórios externos. Com que fim? Recordemos.

O primeiro ato da gestão Serra foi criar a Secretaria de Ensino Superior, englobando as universidades estaduais e a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), com orçamento de grande estatal, superior ao de Estados.

O pacote privatista cindia pesquisa e ensino, sediava a pesquisa em ilhas, associando-a a empresas, substituía o ensino presencial por telecursos e submetia o todo a critérios empresariais.

Resultou em greves por todo o Estado, na primeira ocupação da reitoria da USP (maio-junho, 2007) e na demissão do secretário Pinotti.

O governo, porém, não desistiu. Passou a priorizar a liquidação do movimento que obstou o primeiro carro-chefe da campanha de Serra à Presidência. Fez a reitoria nomear um investigador de polícia como diretor de segurança da USP no final do ano de 2007.

Os furtos no campus seguiram, mas o alvo era outro: em 2008, a reitoria demitiu um dirigente sindical, apesar da imunidade constitucional do cargo, e implantou a estratégia de processos administrativos e penais seriais contra os sindicalistas e estudantes.

À rádio Bandeirantes, o reitor afirmou, em 2010, que a USP era como os "morros do Rio" e que requeria uma intervenção como a do Haiti. Hoje, cinco dirigentes sindicais encontram-se em vias de demissão, até por "crime de opinião", e 25 estudantes, às portas da expulsão, com base em artigo que proíbe a difusão de ideias políticas no campus; com as prisões recentes dos 73, ascende a quase cem a lista dos estudantes perseguidos.

De fato, a USP, sem acesso universalizado -ao contrário de universidades públicas da Argentina e do México-, ainda não se pôs, como deve, a serviço da sociedade como um todo.

Está, no entanto, a sociedade ciente do processo em curso e disposta a prosseguir na dilapidação e cessão a grupos privados do enorme potencial da universidade?

O reitor Rodas acelera vertiginosamente a fratura social e política da USP. É preciso caminhar para uma estatuinte, sem o que não haverá concórdia e paz.

Os problemas da USP, inclusive os de malversação e de uso obscuro de bens, são em sua raiz políticos, e se reproduzem por um regimento herdado do autoritarismo, que fere toda ordem democrática.

Sua solução passa, como a do país, pelo sufrágio universal, pela abertura social, pela preservação da gratuidade, pela multiplicação de cursos noturnos e pelo incentivo a pesquisas em diálogo real com as necessidades nacionais.

FRANCISCO ALAMBERT é professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (FFLCH-USP).

FRANCISCO DE OLIVEIRA é professor emérito da FFLCH-USP.

JORGE GRESPAN é professor da FFLCH-USP.

LINCOLN SECCO é professor da FFLCH-USP.

LUIZ RENATO MARTINS é professor da Escola de Comunicações e Artes da USP.

MARCOS SOARES é professor da FFLCH-USP.

Chevron: sua marca e seu homem no Brasil


Chevron: sua marca e seu homem no Brasil



Get out of here, Chevron!

sábado, 19 de novembro de 2011

Índices PSDB: de inflação, de truculência e de corrupção



Índices PSDB: de inflação, de truculência e de corrupção

Fonte das imagens:

As práticas repressivas da PM paulista repercutem nos índices de inflação?

Estudantes da USP são presos por reivindicar:

1. Uma política de segurança verdadeira e concreta;

2. Fim do convênio PM-USP;

3. Renúncia do atual reitor da USP;


E acrescentam:

4. Retirada dos processos administrativos e criminais contra estudantes e funcionários da USP. (Ao que consta são 43 processos contra estudantes e funcionários + 73 contra os estudantes);

5. Criação de uma estatuinte. (Proposta dos alunos da Pós-graduação - Revisão do regimento da USP: regimento disciplinar que data de 1972 e vigora até hoje);

6. Cuidado, PSDB: pare de alimentar o ovo da serpente.


Entretanto, para cumprir as ordens do governador Alckmin, a tropa de choque é acionada e distribui quantidade generosa, ou melhor, excessivamente pródiga  de cassetadas, bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta.

O Estado, já pensando nas próximas manifestações, compra mais dos referidos artefatos para repor os estoques.

Resultado: os preços dos produtos de dissuasão crescem pela intensa procura, onerando os cofres do Estado e pressionando os índices inflacionários. Como o governo paulista tem reservado orçamento considerável para impedir a expressão do que ele desconsidera, cogita-se até que os índices de preços sairão do centro da meta, pois as empresas vendedoras dos artigos “cala-essa-boca” observaram exultantes os mananciais de oportunidades proporcionados por governos dessa estirpe no estímulo a seus departamentos de vendas, os quais batem seguidamente metas crescentes dos departamentos financeiros.

Estima-se, ainda, que as importações de tais produtos dispararam, incidindo no perigo, apontado por especialistas, de produzir um déficit comercial grave para o país.

Ademais, na Europa, as intervenções diretas do capital financeiro, na imposição de executivos egressos do banco Goldman Sachs, recrudescem protestos populares contra medidas antipopulares aplicadas pela banca.
Para conter as revoltas populares,  os governos fantoches da Grécia, da Itália etc., ávidos por genuflexão daqueles a quem será oferecido um sacrifício de Sísifo, adquirem acervos de materiais de sua índole ditatorial, retroalimentando a espiral de demanda dessas coisas para “calar-a-boca”. As polícias dos EUA também distribuem farta truculência e arrogância, requisitando estoques de empresas do “fique-quieto”. Ou seja, temos uma busca internacional para atender à gula do capital financeiro contra manifestações populares.

Quanto à corrupção e às mais de 100 CPIs que não podem ser iniciadas na Assembleia Legislativa de São Paulo, o aviso já foi dado aos que quiserem protestar: novo arsenal, adquirido recentemente, faz parte dos objetos de desejo da mentalidade troglodita, que não hesitará em acioná-los para impedir quaisquer contestações.

Garantido o tradicional apoio midiático, restará apenas rotular os que protestam como "maconheiros".


Os Belos e Belo Monte



Os Belos e Belo Monte
por Marcelo Carneiro da Cunha

Pois estimados leitores cá estamos, dependendo de onde estamos. Se estivermos em São Paulo, por exemplo, podemos aproveitar das maravilhas da Balada Literária, a criação do Marcelino Freire para mostrar que evento de literatura pode, sim, pode, ser muito legal, ter altíssima qualidade, e, ora vejam, ser grátis. Basta querer que todo mundo que queira entrar entre, não é mesmo?

E entre um momento e outro da Balada cá estava eu, ciscando no Tuiti e pronto, fui atingido por um vídeo gravado por muitos atores globais baixando o cacete na hidrelétrica de Belo Monte, garantindo que ela é o mal sobre a Terra, o exu, o capeta, o diabo em sua versão mais úmida, e eu me pergunto, como eles sabem de tudo isso? E mais, por que o vídeo deles é igual a um americano, dirigido pelo Spielberg para fazer os americanos tirarem a bunda do sofazão e irem votar?

Por que atores globais fizeram um vídeo contra? Eu não tenho nada contra atores globais, fora o sotaque e a mania de fazerem teatro comercial, mas não tenho nada a favor. Pra mim, são tão ignorantes em assuntos de represas no Pará como quase todo mundo com quem eu falei antes de escrever essa coluna, se bem que, admitamos, muito mais fotogênicos. Mas, mesmo sendo pra lá de mais bonitos e reconhecíveis do que eu ou o senhor aqui ao lado, eles falam tanta besteira quanto qualquer um, e isso me irrita. Energia eólica é mais limpa? Alguém já viu um parque eólico, que por demandar vento costuma ficar no litoral, onde também ficam as praias? Importante, necessário, talvez melhor, mas, limpo? Defina limpeza aí, seu global, porque eu talvez ache uma represa cheia de água no meio de uma floresta cheia de água algo mais natural do que cataventos altíssimos transformando por completo uma paisagem que antes era perfeita. Solar? Estimado espécime global, sua senhoria faz idéia da área necessária para produzir 100 megawatts de energia solar? Eu sei, e é um monte de área, que não vai servir para mais nada, montes de recursos, dinheiro pra caramba, e ainda temos os enormes custos de manutenção. Belo Monte são 11 mil megawatts, senhor ou senhora global. Faça as contas antes de vir ler texto dado por sei lá quem, e talvez eu realmente leve a sério o que dizem, o que o senhor ou senhora talvez mereçam, desde que trabalhem para isso.

Os bonitinhos dizem que Belo Monte vai criar um baita lago e afogar a floresta. Eu, feinho, fui estudar. O lago da represa vai ocupar uma área de 516 km2, me informa o Google. O mesmo Google me diz que o estado do Pará possui uma área de 1.247.689,515 km2. O que deve querer dizer que o lago a ser formado vai ocupar uma área equivalente a 1/2400 da área do estado do Pará, que por sua vez é um estado com 7 milhões de habitantes, com dois milhões deles morando em Belém e todos participando do Círio de Nazaré, pelo que vejo. Ou seja, uma represa vai alagar uma área de 1/2400, ou nada por cento, de um estado basicamente vazio e isso se torna um problema por que mesmo? Não dêem texto, provem. Do jeito que vocês falam, encenando, eu não tomo como sério o que é dito. A moça vem e diz "24 bilhões" e soa como o Dr. Evil falando "One billion dollars" com o dedinho na boca. Dona, diga aí qual é o PIB brasileiro em 2010, e quantos por cento do nosso PIB, a nossa riqueza nacional, a hidrelétrica vai custar, diluída por 50 anos? Vosmecê sabe? Ó aqui a minha boquinha enquanto ela diz, assim: D-U-V-I-D-O.

Leitores, me irrita, e muito, essa tentativa de fazer a minha cabeça por processos tão rudimentares. Se querem, mandem coisa melhor e terão toda a minha atenção. Isso aí é manipulação tola, boba, mesmo que muito bem intencionada. Isso tem cara de ONG que consegue apoio de um publicitário bonzinho e muita gente bacana e vamos lá, salvar as baleias do Xingu. Pois me irrita pra caramba, pelo desrespeito para comigo, que vivo no mundo real, não dos comerciais sejam eles do governo ou de ONGs. Eu não sou uma baleia, acho.

Eu vivo em uma sociedade industrial, que pode abrir mão de muitas coisas e do bom senso quase o tempo inteiro, mas não resiste a umas poucas horas sem energia. Vira gelo, sem gelo pro uísque. Vira fogo sem ar condicionado para resolver a vida na fornalha. Vira uma luta pelo pedaço de pão mais próximo, vira a impossibilidade de chegar até a nossa casa. Podemos ficar sem quase tudo, e eu poderia ficar muito bem sem axé, o Malafaia e a lasanha congelada, mas não podemos ficar sem energia. Podemos e devemos economizar energia. Podemos e devemos desenvolver energias renováveis, e o faremos. Podemos e devemos esquecer a maluquice de construir Angras 3, 4 o escambau, mas não o faremos. Angra 3 ou 4 são muito, muito piores do que qualquer Belo Monte e certamente piores do que Fukushima, especialmente se ficarem no Rio, que, digamos, não é o Japão.

Mas para chegarmos até as novas energias, precisamos de energia da que se produz agora e o resto é, infelizmente, poesia. Não a qualquer custo, mas a custos que valha a pena pagar. E essa avaliação tem que ser muito, mas muito racional e justa do que eu vejo nos youtubes que vêm e vão.

Se vamos escapar do fogo ou do gelo, é pela inteligência, como sempre foi e será. E desse debate, por tudo que eu vi, ela está longe, muito longe, muito mais longe do que o Pará, e muito menos inteligente do que precisa ser para ser.


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

13 Pitacos

13 Pitacos


Derrotox 45
Recomendado apenas para demotucanos


1) Rede Globo tem reprovação em Economia (Urubóloga); em aritmética (enxerga milhões onde há meia dúzia); em Ética (distorce a realidade). #PIG

2) Rede Globo reivindica patente de "realismo surrealista" e dá como exemplo a longa carreira do Jornal Nacional. #PIG

3) 25 ponderações a respeito do #PIG. Para ninguém mais pretextar ignorância a respeito da mídia golpista.

4) Jornal Nacional usa 16 longos segundos para falar do vazamento da Chevron.
Em 16 segundos, é possível apresentar qualquer problema com dignidade?
#Chevron é protegida do #PIG e #Serra

5) Assembleia do PIG a bordo do Fábrica de crises.

6) JN: "Protestos contra a corrupção tomam ruas de mais de 30 cidades do país".
Globo trabalha em escala microscópica? Contou átomos isolados?

7) Repressão nas universidades - Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência. 

8) República de verdade é livre. Não tem PIG.


10) 100 bilhões de anos-luz é a distância entre a verdade e o que afirma o JN da #RedeGlobo #PIG

11) Instituições “educacionais” caça-níqueis.
Educação: tem quantidade, mas induz a pensar em qualidade

12) Conceito liberal de liberdade: propriedade

13) Muro de lamentações


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Como se escreve?


Como se escreve?





1) Como se escreve?

Inveja com 3 letras = FHC

Ódio com 5 letras = Serra

Desinformação, distorção e manipulação com 3 letras = PIG



2) Quando vai responder? 

McDonald's deve explicações à sociedade. http://ning.it/s7Xv53 #McDonald's #RightNow


3) Inferno em festa

Serra lança candidatura para 2014.
Das profundezas dos infernos, Hitler exulta com notícia tão alvissareira para sua tropa de choque.


4) Só para saber
Seria possível abrir as contas da Rede Globo e de certos "policiais"?



5) Você sabia?

Salmo da Rede Globo: do golpe de 1964 até sempre. O golpe é o meu guia, nada me faltará

Golpe de 1964 - O apoio da Rede Globo, da Folha de São Paulo, do Estadão (PIG)

McDonald's deve explicações à sociedade


McDonald's deve explicações à sociedade

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Repressão nas universidades - Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência



Repressão nas universidades



Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência

Mudaram as fardas dos policiais,
Mas o corredor polonês foi mantido.
Os cortes de cabelo dos estudantes são mais curtos,
Porém a indignação e o repúdio contra a repressão e a truculência continuam.

Governos militares e bicudos têm muita coisa em comum:
Não suportam a divergência.
E se não conseguem impedir a existência de ideias alheias,
Lançam bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e cassetadas por atacado.

Utilizam o PIG para proclamar o "pensamento único" e
Vociferam suas ordens insanas.
Aguardam assentimento total
E ficam surpresos porque as pessoas repelem as tolices empoladas.

Enquanto houver PIG, estudantes serão surrados para que o fundamentalismo repressivo repercuta alegremente nas emissoras piguianas, ávidas de disciplinar os inquietos rapazes e os descomedidos trabalhadores, que exigem salários quando lhes querem impor escravidão.


PSDB na rua, no palácio e a maconha

Para entrar na USP

http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/2011/11/para-entrar-na-usp.html

Nota pública sobre a crise da USP

A Polícia Militar na USP - Paulo Arantes, Marcus Orione Gonçalves Correia e Jorge Luiz Souto Maior


Sobre as manifestações políticas de estudantes na USP


República de verdade é livre. Não tem PIG.


República de verdade é livre. Não tem PIG.



A memória de um povo é antídoto contra a reedição de tragédias.

Por isso, devemos ficar sempre atentos.

O Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho apresenta hoje, dia da República, uma coletânea para que todos, mesmos os desavisados, não possam mais pretextar ignorância a respeito do PIG - Partido da Imprensa Golpista.


1. 15 de novembro.

República de verdade é livre. Não tem PIG.

Entrevista do Dr. Toicinho à imprensa marciana vaza e é publicada por blogueiro sujo

Dr. Toicinho, CEO do PIG desde 1939, cioso de suas prestidigitações e inúmeros golpes de Estado, não contava com essa possibilidade. Sua entrevista à imprensa marciana, na qual confessa suas trapaças, crimes e manipulações de governos fantoches, fora enviada por email interplanetário a um blogueiro sujo, que não pestanejou para divulgá-la.

 O WikiLeaks, especialista em vazar notícias desconfortáveis aos poderosos, lutara nos últimos dias para obter as informações da mídia do planeta vermelho, mas a feito coube ao Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho


Entrevista exclusiva com Dr. Toicinho, CEO do PIG desde 1939.




2. Marte repudia provável invasão tucana




3. Nada mais antirrepublicano do que o PIG e sua Urubóloga querendo, sem votos, determinar os rumos do país.

E são sempre caminhos que levam ao abismo.

Como diria Edgar Allan Poe:

PIG, never more!




4. Onde são elaborados os golpes de Estado?

Assembleia do PIG a bordo do Fábrica de crises.




5. Educação do PIG e seus valore$.

Os senhores são os valore$.




6. Perspectivas do PIG são as piores possíveis.

Corolário: o desespero vai produzir muita m...




7. A educação fascista do Dr. Toicinho vem de berço.

Dr. Toicinho, em sua juventude, ouvindo os clamores da TFP.




8. PIG quer independência do Banco Central. Ou seja, desconsideração dos interesses populares.

Banco Central f.d.p.




9. Por que o PIG não quer que a Selic caia, mas suba.

Não é a toa que as previsões da Urubóloga são chamadas de propaganda direcionada.




10. PIG - Biografia não autorizada do Dr. Toicinho.




11. A geração PIG.




12. PIG enfurecido.




13. PIGnóquio e seus dons mediúnicos.




14. Brasil - Sete de Setembro - Independência ou PIG.




15. Fórmulas do PIG e de Murdoch são idênticas.




16. PIG - Jornalismo para iniciantes. Escola brasileira do PIG. Murdoch - Journalism for beginners. Murdoch's English School.




17. PIG vai à missa.




18. PIG repudia declarações do bilionário Warren Buffett.




19. PIG protege seus filhos.




20. Martírio do PIG.




21. PIG recebe por assinaturas.




22. Datação do Carbono 14 e a involução do Homo reacionarus.




23. #VejaInvaders: Quadrilha Editorial quer invadir privacidade. Camareira conta tudo.




24. Os PigLeaks invadem o Brasil.




25. Celular do PCC- Primeiro Comando do Capital.

domingo, 13 de novembro de 2011

Bancocracia e seus tecnobancocratas



Bancocracia e seus tecnobancocratas

Na Zona do €uro, €u, banqu€iro, mando sem intermediários! Cada vez mais!


Exaustos de indicar teleguiados representantes de partidos políticos tradicionais, os banqueiros europeus resolveram destituí-los e tomar o controle direto do poder do Estado, nomeando seus pares para exercerem tarefas “técnicas”, ou seja, a capitulação completa do país aos ditames das tesourarias dos bancos.

Em meio à crise, a bancocracia impõe nos cargos executivos da Grécia, da Itália etc., tecnobancocratas confiáveis e diligentes para as árduas tarefas demandadas para atender os altos interesses dos rentistas e ignorar completamente quaisquer pretensões de mínimas necessidades das populações trabalhadoras.

Cônscios de que os protestos populares tendem a se intensificar, a banca já cogita publicamente em revogar dispositivos constitucionais que venham criar constrangimentos para a contabilidade dos usurários.

Nesse sentido, habituais instrumentos de consulta democrática seriam extintos de chofre, ou pelo menos tornados impraticáveis a partir da criação de inúmeros obstáculos que inviabilizariam a formalização de aspirações contrárias à ditadura do capital.

Como todas as máscaras foram arremessadas ao chão, não restando dúvidas sobre quais vontades serão acatadas, assistimos, agora, à repetição do clássico governo de “união nacional”, “se não o barco vai afundar” e outros embustes grosseiros.

À socapa, recolhem seus disfarces e tentam encobrir de volta os rostos e funções, dizendo-se “amantes da pátria, dos bons costumes e fiéis cumpridores das determinações infligidas pela realidade”.

Aos trabalhadores, além dos sacrifícios impostos pelos governos de cães amestrados, adicionais penas hercúleas serão apresentadas em nome do “bem do país”, a saber: aumento intragável da idade de aposentadoria, redução aviltante de salários, degradação das condições de trabalho e precarização em geral.

Aos que não participaram do butim financeiro, será, mais uma vez, exibida a longa lista de “deveres nacionais incontornáveis” para “trazer de volta a paz, a prosperidade e as coisas a seu devido lugar, como antes”.

Como em outros momentos históricos, urge barrar essa farsa grotesca e totalitária.

Não ao chicote financeiro e sua vassalagem!

Não aos campos de concentração hi-tech planejados pelos endinheirados!

Não a todas as imposturas do capital!

Em cada canto do mundo, levantaremos as vozes e os punhos para combater mais uma ridícula tentativa de salvação dos capitalistas à custa do sofrimento e morte de milhões de pessoas.



Os fantasmas dos mercados financeiros mundiais

Zona do Euro

Anatomia do coração neoliberal

Grandes potências decidem o que fazer com a Grécia

Palavras cruzadas além do entretenimento
http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/2011/09/palavras-cruzadas-alem-do.html

Inside Jobs - Legendas em português / Subtítulos en español


Assembleia do PIG a bordo do Fábrica de crises



Assembleia do PIG a bordo do Fábrica de crises


Profetas Nostradamus e João afirmam:
 "O tempo de retomada do poder pelo PIG está próximo.”


Em reunião extraordinária a bordo do transatlântico PIG – Fábrica de Crises, de propriedade do Dr. Toicinho, CEO do PIG desde 1939, os executivos do Partido da Imprensa Golpista ocuparam-se de enumerar as fragilidades e falácias de suas tentativas grotescas de interromper o mandato da presidenta Dilma.

Sob tensão, a assembleia transcorreu regada a whisky e lamentações patéticas dos herdeiros dos monopólios de comunicação. Toicinho Jr., filhote do anfitrião, disparou: “2014 já era... A não ser que possamos criar manchetes à altura dos bons anos da Redentora. Aí, sim! Conseguiremos remover os impedimentos aos nossos interesses e resgatar o governo que esteve por mais de 500 anos em nome de nossas sagradas famílias.”

Após essas palavras, os convivas exultaram e puseram suas orelhas e seus espíritos de porco eriçados para arquitetar o grande plano do milênio.

Segundo imagens captadas na embarcação e transmitidas pela internet, a Diretoria cogitou um conjunto de tolices que não se ouvia há muito tempo.

1) Vamos dizer que o céu vai despencar sobre o mundo se a Dona Dilma ficar na presidência;

2) Acho melhor falar que o Cometa de Halley descontinuou sua trajetória para atacar o planeta. E a exigência dos pilotos de Halley é que todos os governos sejam transferidos para os partidos do Eixo do PIG;

3) Essa vai ficar muito na cara. O melhor é informar que Nostradamus já havia previsto esse momento crucial da História da humanidade, dizendo que o povo brasileiro, por unanimidade, entenderia que o melhor encaminhamento é deixar tudo por conta do PIG;

4) Sei não. A gente precisa ser mais discreta. Que tal afirmar que o mar é salgado por culpa da Dona Dilma e que os peixes são obrigados a conviver com essa tortura por causa dela?;

5) Essa é uma boa ideia. Mas vejam esta: Dona Dilma encomendou o sequestro de oxigênio de toda a atmosfera para tornar reféns as pessoas e obrigá-las a pensar como ela quiser para terem a quota mínima do precioso elemento da tabela periódica;

6) Nossa! Essa é perfeita! Acrescentaria apenas que isso já estaria antecipado no Apocalipse de João, 1964:01/04;

7) Então, estamos combinados! Amanhã, todas as edições piguianas devem ostentar em letras garrafais a seguinte ideia, respeitadas as variações peculiares a cada veículo: Profetas Nostradamus e João afirmam: "O tempo de retomada do poder pelo PIG está próximo.”

sábado, 12 de novembro de 2011

Folha da Oligarquia - Um jornal a serviço do capital II


Folha da Oligarquia - Um jornal a serviço do capital II


Limpeza do Rio Tietê é estudada em seminário sobre
lavagem de dinheiro e desvios de recursos públicos

EDITORIAL
Numa clara aversão às leis de mercado, procuradores do Ministério Público exigem explicações sobre a Limpeza do Rio Tietê, que só consumiu US$ 1,6 bi e apresenta resultados piores do que os anteriores ao início das obras.

A incompreensão que grassa no MP é resultado do açodamento em enxergar corrupção em tudo o que observa exaustivamente, não se importando com os diligentes esforços de pessoas íntegras em fornecer todas as explicações cabíveis, ou seja, publicáveis, para esse episódio da lavanderia paulista.

Reafirmamos nossa disposição tradicional de tolerar as malfeitorias de nossos parceiros e amigos e de deixar para lá a trave em nossos olhos e dos associados, mas jamais deixaremos de nos importar com o cisco nos olhos dos outros, principalmente os inexistentes, os quais trataremos de inventar e fermentar para alimentar nossa fábrica de crises.

As gravatas dos procuradores, por exemplo, não são Armani, depondo sobre o caráter dessa gentinha que não se preocupa com as aparências. Ademais, em tom ofensivo, um deles chegou a evocar preceitos constitucionais sobre “igualdade de tratamento para todos”. Quanta falta de maturidade e entendimento sobre o funcionamento da infraestrutura e da superestrutura do sistema capitalista, que esta Folha defende com unhas e dentes, bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta, obuses, tanques e quaisquer outros artefatos, não esquecendo jamais de emprestar os carros de reportagem da empresa para torturadores exercerem suas funções. Também, nunca negaríamos apoio ao nosso querido e apreciado neoliberalismo, braço operacional da banca, por causa de frenesis democráticos vindos da plebe árabe em suas primaveras juvenis.

A eventual corrupção em nossa seara é delírio de mentes alucinadas e doentias, pois está comprovado que a criação de guetos sócio-políticos teria evitado a ascensão de representantes da ralé em território tupiniquim, numa clara provocação aos desígnios divinos proclamados em todas as galáxias: “Por definição celestial, compreende-se o termo corrupção como prática alheia, operada e cumprida por outros.” Portanto, antes de nós. O que é uma pena! Mas esse não é o espaço de confessionário, mas de refutar as aleivosias insidiosas daqueles que não têm paciência por esperar os efeitos salutares do saneamento em curso no Rio Tietê.

“A pressa é inimiga da perfeição”, diz o ditado. Antes de comprarem os óculos especiais —contidos em nossas edições piguianas—, esses moleques, que atendem pelo nome de procuradores, intempestivamente foram ao Rio Tietê sem os apetrechos essenciais para verificar os lindos bosques às margens do Rio e as inúmeras espécimes de peixes que surgiram da limpeza efetuada no fundo de nossa lavanderia paulista. Desse modo, não puderam constatar a evidente escolha pelo que há de mais avançado em ecologia em todo o universo. O saldo não poderia ser pior, pois não portavam os óculos panglossianos oferecidos sublinarmente em nossas edições diárias.

Como já esperamos pelo fim do mundo algumas vezes, por que não aguardar o término das obras do Rio Tietê? Afinal, o ano de 2999 está bem próximo!

A intolerância do populacho nos irrita, mas não deixaremos de lado a fleuma oligárquica. Já expedimos ordem de preparar os açoites e aplicar 1000 chibatadas em todos aqueles que vierem a dizer quem realmente somos. Os primeiros a experimentarem nossa ira santa serão esses blogueiros sujos.


Colabore com a Campanha pelo Desenvolvimento do Brasil:

País respeitado pelas demais oligarquias planetárias reconhece a necessidade de isenção de impostos para os ricos e trabalhos malremunerados e/ou escravos para os pobres.

_______________________________________________________


Capital não tem pátria nem moral: a nacionalidade do Capital é o Cifrão.
_______________________________________________________


Folha da Oligarquia - Um jornal a serviço do capital I


Aforismos neoliberais declamados no ITV - Instituto Totalmente Venal

http://agenorbevilacquasobrinho.blogspot.com/2011/11/aforismos-neoliberais-declamados-no-itv.html

Silvio Berlusconi e os serviços prestados ao neoliberalismo


Os fantasmas dos mercados financeiros mundiais


PIG


Quero colaborar com o Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho