quarta-feira, 4 de abril de 2012

Serra tem saudades do Quiroga - Vidente sim; evidências, não


Serra tem saudades do Quiroga.
Vidente sim; evidências, não.

CPI da Privataria Tucana aberta...


Minutos depois...

A Astrologia é um instrumento utilizado por certos políticos.

Antecipar-se aos acontecimentos e obter vantagens com informações “privilegiadas” advindas dos “céus”, da “borra de café”, “do Quiroga” ou da “bacia de água” parece bastante tentador.  Mas é eficaz?

Este Blog trabalha com perspectivas também. Porém, observa evidências de fatos concretos e seus prováveis desdobramentos. Isso é bem diferente de afirmar prognósticos baseados no interesse unilateral do autor, ou seja, esconder a realidade e fazer emergir desejos muitas vezes inconfessáveis.

Ademais, é melhor ser profeta do passado: Caso não tenha má-fé e seja bastante aplicado em suas pesquisas, a chance de errar é mínima.

Agora, façamos uma análise de uma profecia do passado para verificar, à luz do efetivamente realizado, a consistência da previsão de seu autor e de seus interessados.

Observe as diferenças de apreciação em ambos os textos a seguir.

Texto 1

Maior astrólogo brasileiro também garante que Serra será o próximo presidente
Prof. Hariovaldo Almeida Prado - No combate ao comunismo ateu e na defesa da família cristã.
http://www.hariovaldo.com.br/site/2010/08/24/maior-astrologo-brasileiro-tambem-garante-que-serra-sera-o-proximo-presidente/

Os astros sempre indicam o caminho correto para os homens. Esta também é a constatação do maior astrólogo brasileiro, o argentino Quiroga, fez uma brilhante análise astrológica da inevitável vitória de José Serra em 03 de outubro para o semanário dos homens bons. Não há o que temer. Relembremos alguns trechos dessa reportagem onde a verdade premonitória desse guru estelar transparece de forma indubitável:
“Perfil astrológico de José Serra Nascimento: 19/3/1942, às 2h, em São Paulo Signo: Peixes “Sol e Netuno em oposição É movido pelo idealismo. Como todo visionário, tem dificuldade de comunicar o que vê. Por isso, é hermético e tem um ar de quem está fazendo mistério Lua em Áries Liderança inata Saturno e Urano em conjunção. É motivado pela necessidade de reformular dogmas. Tem habilidade organizacional e de trabalhar em equipe. Consegue reunir pessoas diferentes em prol de uma mesma causa. Ascendente Aquário. Sua estrela é racional-intuitiva. Navega bem em ambientes e situações complexas e sua “missão” neste planeta é descomplicar.
Comentário: Neste trecho fica claro que graças a alta capacidade de mobilização a aglutinação, Serra reuniria grandes aliados de diferentes partidos em apoio ao seu nome, o que tem sido a chave para o seu sucesso no pleito atual.
Vejamos mais:
Prognóstico para os próximos meses: É notável a coincidência de que no dia 10 de abril, quando sua pré-candidatura a presidente foi formalizada, o planeta Urano tenha atingido a localização em que o Sol se encontrava no momento do seu nascimento. Esse aspecto se repetirá em 7 de outubro. Urano representa a comunidade organizada. A natureza desse relacionamento astrológico indica que José Serra se tornará capaz, durante esse período, de reunir o apoio de diferentes vertentes em torno de sua candidatura. A esse aspecto, agrega-se o fato de que Júpiter também atingirá a posição de seu mapa natal no fim de maio e de setembro, o que é outro sinal positivo para seu desempenho como candidato à Presidência. O sinal mais marcante e auspicioso de sua candidatura se dará entre os dias 1º e 25 de agosto de 2010, quando a Lua progredida estará em trígono com Vênus e Júpiter de seu mapa natal, indicando sucesso e bem-aventurança.
Comentário: Aqui, o grande sacerdote dos astros previu corretamente a genialidade política de Serra e o grande sucesso que ele alcançou este mês, patente na pesquisa Dataprado, devido ao início do horário político na televisão.
Sigamos:
Com todos esses sinais astrológicos, seria tolice não arriscar a afirmação de que José Serra deve ser o próximo presidente do Brasil, a não ser que o mapa dos outros candidatos também possua elementos tão ou mais favoráveis do que esses. Porém, isso não significa que o caminho até lá seja um mar de rosas, pois o destino humano funciona de forma dialética. Ou seja, quando há aspectos afortunados acontecendo, como é o caso de José Serra, as circunstâncias se tornam mais duras e adversas, justamente para demonstrar a boa fortuna em andamento através da capacidade de administrar essas adversidades com perícia.”
Comentário: Mais uma pessoa de alma elevada constata a desnecessidade das eleições, uma vez que a vitória de Serra está patente e é irrevogável. Somente os tolos não veem que Serra é o próximo presidente. Alvíssaras.


Texto 2

Astrólogo preferido de Serra prevê derrota de Dilma
Eliano Jorge
http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4389266-EI6578,00.html


Astrólogo preferido de Serra prevê derrota de Dilma
Eliano Jorge
A cada hora reagendada e cobrada, veio no seu 68º aniversário, em 19 de março, a primeira admissão pública de José Serra, do PSDB, sobre sua pré-candidatura à presidência da República em 2010. Ainda não oficial como em 10 de abril, mas clara. E justamente no dia que a astrologia considera como fim do seu inferno astral. Não por coincidência. Pessoas próximas a ele garantiram aTerra Magazine, em fevereiro, que Serra não se pronunciaria antes de apagar as velinhas.
Na entrevista a seguir, o astrólogo preferido de Serra, Oscar Quiroga, de 53 anos, argentino de nascimento e de evidente sotaque, nega que preste serviços ao ex-governador paulista, mas admite saber que suas orientações de horóscopo são seguidas pelo pré-candidato tucano há tempos. "Indiretamente", descontou.
Dos governistas, porém, não terá a mesma simpatia. "A Dilma Rousseff não vencerá esta eleição", avisa, baseado em previsões astrais. Crava, seguro de todas as constelações: "Posso afirmar concretamente".

» Contra "Dilmasia", Anastasia faz reivindicações de MG a Serra
» Serra visita obra social na Bahia e diz não estar em campanha 
» José Serra anuncia candidatura à Presidência
» Astros prometem uma semana cheia de surpresas  
Sempre que possível, em suas respostas, Quiroga, fascinado pelos astros, reclama de uma estrela específica: a do PT. Na sua opinião, estrela cadente, pode-se concluir.
Explica ele que a ministra e seu grupo político estariam ligados ao autoritarismo, que caducou a esta altura do processo evolutivo cósmico. Mas aí prevalecem as interpretações políticas sobre as esotéricas.
À senadora e pré-candidata do PV, ele destina melhores perspectivas. "Marina Silva vai crescer bastante ainda". Porém, ela pode não passar de um cometa.
Outro a ter seu mapa astral detalhado é Serra. "Ganhando ou não ganhando, terá um papel fundamental nas eleições", afirma o astrólogo. "Ele representa o esclarecimento". Uma declaração bem esclarecedora, diga-se.
Quiroga rejeita ligações com o PSDB. "Não sou votante neste país. Não sou cidadão brasileiro, nunca me passou pela cabeça me naturalizar, não sei por quê", desconversa, radicado no Brasil desde 1978.
A melhor plataforma eleitoral indicada no pontilhado em braile do universo, pelo que ele assinala, é demasiadamente clara e direta: "Para se sintonizar bem com este momento astrológico, só vai vencer quem consiga oferecer algo realmente novo. Ninguém vai ganhar voto se apoiando em conquistas já realizadas". Imagina-se a sorte astral de Lula por não tentar a 'rerreeleição'.
Ciente dos altos empenhos eleitorais, Oscar Quiroga cobra, em cada equipe de campanha, a presença de um representante da sua classe, cuja utilidade seria maior do que a das sondagens de intenção de voto. "Enquanto as pesquisas de opinião são diagnósticos do que acontece, nós, os astrólogos, é que somos capazes de fazer os prognósticos", valoriza seu ibope celeste.
Ele ainda comenta as mudanças do mundo atual e anuncia perigos financeiros para o Brasil. Aproveite a consulta gratuita e confira a entrevista abaixo.
Terra Magazine - O que a astrologia sinaliza para as eleições presidenciais no Brasil, neste ano?
Oscar Quiroga -
 O que posso afirmar concretamente é que, apesar de este país estar flertando perigosamente com o autoritarismo, que cosmicamente já não tem mais cabimento no seu processo de evolução, isto garante que a Dilma Rousseff não vencerá esta eleição. Com certeza, ela e seu grupo representam o autoritarismo. E já deram provas concretas disso. O Plano Nacional de Direitos Humanos, que eles criaram, tem vários pontos que exemplificam isso, como a censura à imprensa, a questão de eliminar o sistema judiciário para solucionar conflitos agrários. Com isto, você já elimina, de uma tacada só, dois poderes de um Estado.
O senhor fez o mapa astral dos pré-candidatos?
Da Dilma Rousseff, me deram dois horários de nascimento, ainda estou correndo atrás para saber qual é o mapa certo. Fiz do José Serra e da Marina Silva. A Marina Silva vai crescer bastante ainda. E o José Serra, ganhando ou não ganhando, terá um papel fundamental nas eleições. Não apenas como candidato que tem a preferência do eleitorado nas pesquisas. Além disso, terá um papel fundamental para mostrar uma corrente mais esclarecida. Ele representa o esclarecimento. Não sei se isso vai lhe garantir que vença as eleições, porque esclarecimento não dá muito voto, mas terá um papel importante.
Que cuidados astrológicos seriam aconselháveis numa campanha?
Eles têm que olhar para o futuro, não podem se apoiar nas realizações passadas. Para se sintonizar bem com este momento astrológico, só vai vencer quem consiga oferecer algo realmente novo. Ninguém vai ganhar voto se apoiando em conquistas já realizadas.
Isso não é o que tem proposto o PSDB? Ou seja, avaliar o que podem fazer, enquanto o PT tenta comparar os mandatos de Lula e FHC.
É, mas, na prática, eles (tucanos), também; PSDB e PT fazem isso, "olha eu fiz isso, fiz aquilo". Isto realmente não coaduna com o momento astrológico, que é de alguém que organize e consiga juntar pessoas de tendências diversas. O que está parecendo atualmente é que esta eleição vai se vencer pela força dos adversários, uns contra os outros. Vai vencer aquele que for mais capacitado ao reunir as mais diversas tendências.
O senhor é astrólogo do governador Serra, não é?
Não sou não.
As informações que temos é que ele estaria seguindo orientações do senhor...
Olha, ocasionalmente me parece que ele é leitor da minha coluna (no jornal Estado de S. Paulo).
Então, pelo menos, indiretamente?
Indiretamente.
E o senhor também tem acompanhado o que ele faz?
Eu acompanho o noticiário para saber a tendência porque é um país que eu amo e que eu gostaria de ver bem encaminhado.
Sabemos que o governador fez o primeiro aceno público de ser candidato somente no dia do aniversário, em 19 de março, quando terminou seu inferno astral. Como o senhor analisa isso?
Se os candidatos forem sábios, eles vão ter astrólogos trabalhando pra eles. Enquanto as pesquisas de opinião são diagnósticos do que acontece, nós, os astrólogos, é que somos capazes de fazer os prognósticos. Então, deveria haver um de nós em cada uma das campanhas.
Seria um assessor fundamental nas equipes? Por quê?
Eu acho, sim. Nós trabalhamos com um mundo que não é o mundo da lógica.
E qual é a importância de o governador ter feito esse anúncio na data calculada?
Significa que ele está antenado com seu próprio movimento e que, na primeira sensação de ter se libertado das maiores dificuldades, ele se atreve a fazer esse anúncio.
Ele está mais protegido, digamos assim?
Mais protegido, não. Mas incentivado. O candidato nunca está protegido, né? Eh, eh, eh. Pelo contrário, é só você se declarar candidato, que começam as pedradas.
O senhor tem ligações com o PSDB?
Não, nem sou votante neste país. Não sou cidadão brasileiro.
Depois de tanto tempo, não se naturalizou? Por quê?
Não, nunca me passou pela cabeça me naturalizar, não sei por quê. Tenho filhos brasileiros...
O senhor tem escrito bastante sobre um momento especial que o mundo vive atualmente, não?
A campanha de desinformação deste governo tenta nos iludir que a crise financeira mundial não apenas acabou como também não pegou o Brasil. Isto é uma inverdade. A crise financeira global veio para ficar porque nós, como seres civilizados, precisamos viver num mundo infinitamente melhor. Já estamos capacitados para isto. E, do jeito que funcionam as regras das finanças, isso serial impossível. Então, é necessário que este mundo financeiro decline até desintegrar-se.
Isto está acontecendo, e o Brasil não está livre disto. O Brasil tem feito investimentos enormes a toque de caixa do próprio governo, que é nosso dinheiro. Isto está dando deficit, está começando a dar sinais de que, no final deste ano, início do ano que vem, vai explodir, não estamos livres desta crise financeira global.
E como a astrologia aponta que deve ser o novo sistema financeiro?
Olha, como ele deve ser, em termos de regras de finanças, eu não sou muito conhecedor de como funciona a economia para lhe dar termos técnicos. O que está acontecendo, na vedade, é que estamos saindo de uma civilização de competição para entrar numa civilização de cooperação mútua e de confiança.
Em alguns pequenos redutos, isso já funciona assim. Como naquela rua que tem lojas de roupas, perto da Estação da Luz (em São Paulo), não me lembro o nome. Atendo pessoas que têm lojas lá, e não se fazem contratos assinados de locação nem de negócios. Lá se faz tudo na palavra. E lá, na palavra, funciona tudo direitinho. Enquanto em outros lugares, se fazem contratos, pagam advogados para que os contratos tenham cláusulas que amarram isso e aquilo, e, no fim, ninguém cumpre o contrato. Porque não há confiança. Por isso estes contratos existem.
Então, quando se usa o mínimo de confiança para estabelecer, não apenas relacionamentos comerciais, também relacionamentos íntimos, relacionamentos de amizade, só aí a felicidade pode acontecer.

Depois de tanto tempo, não se naturalizou? Por quê?Não, nunca me passou pela cabeça me naturalizar, não sei por quê. Tenho filhos brasileiros...
O senhor tem escrito bastante sobre um momento especial que o mundo vive atualmente, não?
A campanha de desinformação deste governo tenta nos iludir que a crise financeira mundial não apenas acabou como também não pegou o Brasil. Isto é uma inverdade. A crise financeira global veio para ficar porque nós, como seres civilizados, precisamos viver num mundo infinitamente melhor. Já estamos capacitados para isto. E, do jeito que funcionam as regras das finanças, isso serial impossível. Então, é necessário que este mundo financeiro decline até desintegrar-se.
Isto está acontecendo, e o Brasil não está livre disto. O Brasil tem feito investimentos enormes a toque de caixa do próprio governo, que é nosso dinheiro. Isto está dando deficit, está começando a dar sinais de que, no final deste ano, início do ano que vem, vai explodir, não estamos livres desta crise financeira global.
E como a astrologia aponta que deve ser o novo sistema financeiro?
Olha, como ele deve ser, em termos de regras de finanças, eu não sou muito conhecedor de como funciona a economia para lhe dar termos técnicos. O que está acontecendo, na vedade, é que estamos saindo de uma civilização de competição para entrar numa civilização de cooperação mútua e de confiança.
Em alguns pequenos redutos, isso já funciona assim. Como naquela rua que tem lojas de roupas, perto da Estação da Luz (em São Paulo), não me lembro o nome. Atendo pessoas que têm lojas lá, e não se fazem contratos assinados de locação nem de negócios. Lá se faz tudo na palavra. E lá, na palavra, funciona tudo direitinho. Enquanto em outros lugares, se fazem contratos, pagam advogados para que os contratos tenham cláusulas que amarram isso e aquilo, e, no fim, ninguém cumpre o contrato. Porque não há confiança. Por isso estes contratos existem.
Então, quando se usa o mínimo de confiança para estabelecer, não apenas relacionamentos comerciais, também relacionamentos íntimos, relacionamentos de amizade, só aí a felicidade pode acontecer.
Terra Magazine


Texto 3

Confira outras intervenções:







Nenhum comentário:

Postar um comentário