quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Fábricas de diplomas, rentistas e vice-versa



Fábricas de diplomas, rentistas e vice-versa



Há vários tipos de rentistas.

Por exemplo, as fábricas de diplomas que recebem recursos públicos ("bolsas" de diversos nomes) para enriquecimento de seus proprietários. Até mesmo instituições reprovadas pelo MEC recebem graciosamente subsídios e alimentam o descalabro do ensino.

Urge a regulamentação do imposto sobre as grandes fortunas, para trazer recursos para o atendimento da maioria dos brasileiros.

Ademais, a destinação de verbas públicas apenas para escolas públicas é profilática para impedirmos a ganância dos barões da educação em sorver o esforço do país.



Obrigado, PSDB


Anhanguera: Monopólio educacional


Por que o PIG não quer que a Selic caia, mas suba



terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Tropa de Choque na USP-CRUSP: operação de guerra


Tropa de Choque na USP-CRUSP: operação de guerra


19/02/2012





Como a Polícia Militar tratará os envolvidos na Privataria Tucana?



Relato dos estudantes sobre a desocupação da moradia retomada e seus desdobramentos.
 

Relato de como a Moradia Retomada foi desocupada


Uma operação de guerra
O REItor Rodas enviou novamente à USP os seus apoiadores mais dedicados, a Tropa de Choque da PM. Eles invadiram o CRUSP, assím como na desocupação da reitoria, só que dessa vez para prender os estudantes que residiam na Moradia Retomada. O reitor esperou de forma covarde o momento em que o CRUSP estivesse vazio e num Domingo de Carnaval, às 5 horas da madrugada, mais de 200 policiais fortemente armados, com vários carros blindados, dezenas de viaturas e um helicóptero cercaram o CRUSP. Até um batalhão de cavalaria ficou estacionado no P1 aguardando ordens para agir. Um enxame de policiais se aproximou do Bloco G e arrombou a porta da Moradia Retomada, sem darem a possibilidade de que os moradores saíssem, um procedimento que seria padrão em operações de reintegração de posse. Não! A ordem era prender todos, identificá-los e ficha-los para que possam sofrer processos criminais e administrativos. Os policiais nos enfileiraram na sala e nos obrigaram a entregar o RG e a carteirinha da USP, numa clara tentativa de achar não-estudantes e classificar nosso movimento para a imprensa, como algo estranho a Universidade. O que não conseguiram, já que dos 12 estudantes detidos, apenas 3 não eram estudantes da USP, sendo duas delas visitantes e outra, namorada de um morador. Nada do que não se veja em qualquer moradia estudantil. 


Os moradores do CRUSP são vistos como inimigos
No Bloco G, vários andares vizinhos da Moradia foram revistado por policiais, que obrigaram os moradores a saírem de seus quartos, alguns até com roupas íntimas, para que seus quartos pudessem ser revistados na busca por algum estudante subversivo ou máquina filmadora que contenham imagens da ação policial. As portarias de alguns blocos foram bloqueadas pela polícia para impedir que os moradores descessem. No Bloco F, vários moradores tentaram protestar contra o fato de que o CRUSP mais uma vez foi transformado em um presídio a céu aberto e arremessaram lixos pelas janelas. A Tropa de Choque respondeu atirando balas de borracha e janelas de uma cozinha foram estilhaçadas.
Um fato marcante na operação foi a presença do Superitendente da Coseas Waldir Antônio Jorge, o braço direito do líder supremo e que toma conta do nosso campo de concentração chamado CRUSP. Outra que marcou presença na operação foi a “assistente social” Marília Zallaf. Esses puxa-saco do Rodas só não apanharam dos moradores porque se esconderam atrás do cordão de isolamento da polícia.


A mentira do comandante da PM
Durante a detenção na Moradia, o comandante da polícia mentiu ao nos dizer que seriamos liberados assim que nos identificássemos. Entretanto, pegaram os documentos de todos e anunciaram que seriamos levados em um ônibus para a delegacia. Ao serem questionados, os policiais se negaram a ler a ordem judicial e arrastaram alguns moradores até o ônibus de forma truculenta, inclusive uma garota grávida de 6 meses, enquanto a arrastavam tapavam sua barriga com lençol na tentativa de esconder tal trubalidade. Até o cão Bôbo, que é o mascote da Moradia, foi preso. Veja novo video no youtube bit.ly/yWt3qE, que monstra a arbitrariedade das prisões.
Dentro do ônibus, os policiais fecharam todas as janelas e cortinas para impedir que os cruspianos vissem-nos presos. Uma estudante abriu as cortinas e foi agredida por policiais que apertaram sua nuca e seus braços. Vários estudantes se colocaram na frente do ônibus para impedi-lo de passar e só foram removidos com a ação da tropa de choque.


Na delegacia
Ao chegarmos à delegacia, uma estudante perguntou ao delegado para aonde estávamos sendo levados. O delegado falou que nós iríamos conhecer “Auschwitz”. Ficamos num primeiro momento detidos no pátio de Inverno da delegacia e fomos sendo chamados um a um para prestar depoimento. E ao se negarmos falar sem a presença de um advogado, o que é um direito constitucional, tentaram nos intimidar de várias formas. Uma estudante negra do curso de letras foi chamada de moradora de rua e analfabeta, dando a entender que seria estranho uma negra ser estudante da USP. Outra estudante do curso de filosofia foi chamada de vaca suja. Um estudante colombiano da pós-graduação foi chamado de filho-da-puta e foi dito que aqui não era o seu país, enquanto era chacoalhado pelo delegado, assim como foi feito com um estudante chileno de arquitetura. Essa é a internacionalização que a USP pretende fazer... a internacionalização da repressão?


Dentro das celas
Depois disso, o delegado nos mandou para as celas da delegacia. Fomos separados por sexo e a menor de idade também ficou presa numa terceira cela, configurando-se assim, mais uma aberração jurídica! A cela tinha cerca de 1,5m por 2m e estavam em condições degradantes. O chão estava sujo de urina, a latrina transbordava fezes, as paredes estavam sujas de sangue e um cheiro forte de creolina subia do chão. Somando-se isso ao calor insuportável do ambiente, era quase impossível se respirar! Muitos não conseguiram nem se sentar e passaram mal! Fomos tratados que nem lixo e guardaremos isso pelo resto de nossas vidas. Ficamos lá por cerca de 10 horas, o que para nós durou uma eternidade... Em meio a essa situação, estava a estudante grávida que passou mal e chegou inclusive a desmaiar e só foi tirada da prisão e levada para um hospital, depois de gritos de socorro.
Estudantes e trabalhadores solidários a nossa situação se aglomeraram do lado de fora da delegacia e compraram comida, já que não comiamos nada desde o dia anterior e tiveram muita dificuldade para que o delegado deixasse nos entregar. Nossa advogada chegou a tarde e teve grandes dificuldades para conseguir falar conosco, pois, os policiais não queriam nem mesmo abrir as portas da celas, o que só foi conseguido depois de um escarcéu que a mesma fez na delegacia.


As agressões até o IML e mais constrangimento
De tarde, começaram a chegar alguns veículos de imprensa na delegacia e o delegado, que já tinha até falado em nos deixar presos durante o carnaval, com receio da má repercussão do caso, resolveu agilizar a nossa situação e nos imputou uma fiança de um terço de um salário mínimo, por pessoa (cerca de R$2.400,00 no total) e nos encaminhou para o IML, para fazermos o exame de corpo de delito. Fomos transportados nos bagageiros dos camburões da polícia e no caminho, começaram um tipo de tortura utilizado pela PM, que é fazer zigue-zagues com o veículo para que batêssemos a cabeça e ralássemos nossas costas nos escudos da tropa de choque, pois não tínhamos aonde nos segurar. Também faziam comentários do tipo “se pudesse, botava todo mundo em fila e metia fogo”.
No IML, as mulheres foram submetidas a outra situação humilhante. Só havia um médico legista homem, que as obrigou a tirar toda a roupa, inclusive a calcinha, sob a ameaça de que voltariam todas para a cadeia caso se recusassem. Um procedimento desnecessário, uma vez que as mesmas haviam dito que não haviam machucados nessas partes, assím como ocorreu na prisão da ocupação da reitoria quando as presas foram examinadas por uma médica e não precisaram tirar toda a roupa.
Depois disso, voltamos para as celas imundas e fomos soltos só no final da tarde, após nos ficharem e assinarmos o alvará de soltura. A fiança foi paga pela Amorcrusp, por Centros Acadêmicos e sindicatos que se solidarizaram com a nossa situação.


O depois
Após esse dia de terror, nos deparamos com a situação de não termos mais uma moradia e tivemos que contar com a solidariedade de moradores do CRUSP que estão nos abrigando como hóspedes. Nossos bens estão até hoje presos dentro da Moradia e muitos estudantes estão apenas com a roupa do corpo. Conhecendo as medidas de perseguição e repressão existe a possibilidade iminente do processo criminal ser levado adiante assim como sermos expulsos da universidade. Os estudantes estrangeiros correm o sério risco de serem deportados para seus países. O próprio Waldir, em uma reunião com a Amorcrusp nessa sexta-feira, disse que todos sofrerão processos administrativos e provavelmente serão expulsos da Universidade. Este é o tratamento dado por este orgão que ao contrário de expulsar deveria estar cuidadando do alojamento destes estudantes, que justamente somente viviam la por não terem recebido sua vaga, e que agora estão na rua.
É esse o tipo de tratamento que uma Universidade pública que se diz democrática deve dar a estudantes que não têm um lugar para morar enquanto fazem o seu curso? Quem serão as próximas vítimas?


- Chega de repressão e perseguição política!
- Greve Geral na USP!
- Fora PM! Fora Waldir! Fora Rodas!
- Abaixo os processos, as prisões e expulsões na Universidade!
- Pela devolução da Moradia Retomada e dos Blocos K e L para os estudantes!
Movimento de luta por permanência estudantil – Moradia Retomada



sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Mudanças cosméticas


Mudanças cosméticas




Mudanças cosméticas na educação, na saúde, na habitação etc. são mudanças reais?


a) São fundamentais para a transformação da sociedade.

b) São formas dissimuladas de mudanças.

c) Interessa à maioria da população.

d) Não interessa a nenhum setor da população.

e) Nenhuma das anteriores.


Cuidado!

O PIG fala em liberdade e direitos iguais.

Mas tem o monopólio dos meios de comunicação e é porta-voz dos grupos reacionários, que se beneficiam da falta de liberdade e de igualdade de direitos.


O PIG reclama contra as injustiças.

Mas sabemos que "injustiça" para o PIG é quando a população se insurge contra os privilégios das elites.


O PIG cria o programa Criança esperança.

Mas observamos que, ao longo dos anos, as crianças apenas esperam.
Pois a miséria é vencida com políticas públicas, não com esmolas.


O PIG afirma ser contrário ao analfabetismo.

Mas que pessoa razoavelmente alfabetizada cairia nas ladainhas da Veja, da Folha, do Estadão, da Globo etc.?



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

General de pijama


General de pijama



General de pijama.
Tagarela sem parar.
O médico, equivocado, pede para não contrariar.
Mas os brasileiros sabem que o único remédio é a Comissão da Verdade e a realização da Justiça.
Sem impunidade.

1. Concepções ultrapassadas e/ou equivocadas, ou seja, ideias mofadas.

2. Incontinência verbal. Delírios nostálgicos.

3. Espaço oco. O som não se propaga no vácuo.

4. Senilidade.

5. Excesso de peso. Inatividade.


Caso tenha gostado desta intervenção, poderá apreciar as seguintes:

Relações da Folha de S. Paulo com o regime militar

A direita brasileira, patrocinadora do golpe de 1964 e de suas mazelas, deve indenizar o povo. PIG, pague por seus crimes!

Sem novidades. Do PIG só pode vir mais PIG.

Perguntas para a cúpula tucana sobre a Privataria Tucana, de Amaury Ribeiro Jr.

Salmo da Rede Globo: do golpe de 1964 até sempre. O golpe é o meu guia, nada me faltará

Golpe de 1964 - O apoio da Rede Globo, da Folha de São Paulo, do Estadão (PIG)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

“Viva o capitalismo!”, clama o Dr. Toicinho


“Viva o capitalismo!”, clama o Dr. Toicinho

Em memorando interno do bloco piguiano, o Dr. Toicinho, CEO do PIG desde 1939, reafirma o caráter e a disposição dos associados de seu clube.
Nada como um comunicado confidencial para o PIG falar com desenvoltura o que verdadeiramente pensa.
 

Memorando 171/2012 
Viva o capitalismo!


Sem risco para os capitalistas.
Sem investigações sobre as privatarias.
Sem observar regras éticas.
Sem constrangimentos para roubar.
Sem escrúpulos para manipular.
Sem democracia para atrapalhar.
Sem freios para arrebentar.
Sem atender o mínimo necessário para a plebe.

Tudo aos barões, tubarões e acionistas.
Tudo de bom para os rentistas.
Tudo o que for pesado e suado para a ralé.
Tudo o que der lucro para os sócios.
Tudo o que for aborrecimentos para o zé-povinho.

Nada a declarar.
Nada a dizer sobre negociatas.
Nada a comentar a respeito do enriquecimento ilícito.
Nada a expressar em relação aos depósitos nas offshores.
Nada a narrar a propósito dos assaltos ao erário público.
Nada a expor sobre as maracutaias.

O melhor é assistir a Globo, ler a Veja, o Estadão e a Folha.
Assim a ficção toma o lugar da realidade.
As pessoas ficam alienadas e não nos questionam.
Reciprocamente, os endinheirados financiam a boa disposição do PIG.

Capitalismo com riscos apenas para os deserdados da sorte.
Grécia, Espanha, Portugal etc. são apenas laboratórios para aumentarmos nossos rendimentos.
Quando o neoliberalismo for universalizado, sem restrições,
Chegaremos à perfeição.
Os que questionam os desajustes atuais são apressados,

Que não esperam os maravilhosos resultados finais."

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Os aristocratas e a tecla SAP


Os aristocratas e a tecla SAP

 
"É insuportável ficar um segundo com essa gentinha diferenciada.
Até a eternidade, não quero ver mais a cara nem sentir o cheiro desse povinho.
Quero voltar para Higienópolis. Now!!!"


A tecla SAP poderia ter funções adicionais.

Por exemplo, revelar os reais pensamentos de políticos nas eleições.

A encenação não enganaria mais ninguém.



terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Vassalos patéticos

Vassalos patéticos

Será que eles conseguem aprender?


"Vocês não aprendem nunca. Depois reclamam do salário que ganham. Ficam obedecendo ordens de governantes vassalos do FMI para massacrar o povo. Depois querem que alguém se comova com a situação de vocês. Patéticos!


PS. É cristalino que este cão jamais leu o PIG ou quaisquer outras mídias promotoras de lobotomia. Ademais, ele nunca estudou nas escolas do PSDB. Perguntado sobre as razões, o cão foi enfático. "Ler o PIG é para alienados! Estudar em escolas do PSDB para depois de acabar o ensino fundamental e médio permanecer analfabeto funcional? Está pensando que eu sou o quê? Mais respeito!"


Leia também:

Neoliberalpatia e o assalariado-escravo.

Bancocracia e seus tecnobancocratas

Os fantasmas dos mercados financeiros mundiais

Zona do Euro

Anatomia do coração neoliberal

Grandes potências decidem o que fazer com a Grécia

Silvio Berlusconi e os serviços prestados ao neoliberalismo

Palavras cruzadas além do entretenimento

Inside Jobs - Legendas em português / Subtítulos en español

Obrigado, PSDB!

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Neoliberalpatia e o assalariado-escravo


Neoliberalpatia e o assalariado-escravo


Neoliberalpatia é devastação social ilimitada.

Empresários reacionários de todo mundo arregalam os olhos para a Grécia e para a Espanha. De inveja.

Na Espanha, por exemplo, a reforma trabalhista direitista permite tudo aos patrões: cortar salários; demitir sem obstáculos; indenizar a custos risíveis.

Os trabalhadores pagam, mais uma vez, por gastos realizados por especuladores e pela diligência de governos antipopulares de levar adiante medidas draconianas contra os setores mais pobres para proteger a banca e seus lucros.

Reinstaurar a escravidão sairia mais caro.

O assalariado-escravo é mais rentável, mais barato e seu exército social de reserva muito mais amplo.

Grécia e Espanha são os novos paradigmas do projeto neoliberal:

   >   aviltamento das condições de trabalho;

    >  laboratório modelo de experimentos de extração de mais–valia absoluta;

    > devastação social sem produzir mecanismos de amenização das consequências devastadoras da implementação do fundamentalista de mercado etc.

Há caminhos salutares a tomar. Nenhum passa pela neoliberalpatia. Esta é marcha batida para a desagregação e a desumanização.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Afirmação / \ Comentário > Dialética



Afirmação  /  \  Comentário > Dialética
                              _______





1) Afirmação:
Se você entregar sua vida a Deus que mal vai lhe tocar? NENHUM! #compartilhe

1) Comentário:
Vida para Deus. Dinheiro para a Igreja. #Lucrativo


2) Afirmação:
Quem é capaz de salvar sem que antes seja salvo? #pensenisso

2) Comentário:
Para se salvar: deposite, pague o boleto, pague nos cartões de débito e crédito, parcele etc. Só não deixe de contribuir. #Dinheiro


3) Afirmação:
Você tem que sacrificar as suas vontades para alcançar os benefícios que Deus tem para você. #ficaadica Medite e compartilhe!

3) Comentário:
Aquelas férias maravilhosas? Esqueça. Pague por sua salvação. Várias formas de pagamento para facilitar sua vida. #Facilitamos


4) Afirmação:
O sacrifício não é apenas a sua oferta, mas a sua vida! #pensenisso

4) Comentário:
Fique a vida inteiro contribuindo conosco. #ParaSempre


5) Afirmação:
Quem tem o Espírito Santo sabe o que quer!

5) Comentário:
Nós sabemos o que fazer com seu dinheiro. Abandonai a tentação! #Descarrego


6) Afirmação:
Você planta, você colhe, essa é a realidade! Tudo se resume nisso. Medite e compartilhe!

6) Comentário:
Você deposita na Igreja. Ela colhe. #Medite


7) Afirmação:
Qualquer milagre depende de duas pessoas: você e Deus. Você faz a sua parte e Deus fará a dEle! Não tem nada de mágica! #ficaadica

7) Comentário:
Faça sua parte: Deposite. Nós fazemos milagres com o dinheiro alheio. #Milagres


8) Afirmação:
"Quem é inteligente luta e investe na sua salvação, pois ela é eterna." #medite

8) Comentário:
Salvação: Nossa conta bancária aguarda sua boa vontade. #Medite


9) Afirmação:
"A oração tem seu poder, mas ela precisa ser seguida de atitudes." #ficaadica

9) Comentário:
Uma oferta generosa, por exemplo. Aguardamos sua boa vontade. #Interesses


10) Afirmação:
Você tem que ser uma pessoa definida, pois é isso que te faz tomar posse das bênçãos! Medite e compartilhe!

10) Comentário:
Tome posse das bênçãos. Do seu dinheiro a gente cuida. #SantoDinheiro


Leia também:

@PastorMalafaia Silas Malafaia Pagto pode ser em cheque pré ou cartão.

"PMs" combinam vandalismo na Bahia


"PMs" combinam vandalismo na Bahia


A partir de 2,02 minutos, ouça o que combinam os amotinados.


Leia também:

Sobre amotinados

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Sobre amotinados

Sobre amotinados

Quem estimula amotinados, vira refém deles.

A intransigência dos amotinados é alimentada pela tibieza do governo da Bahia.

Greve é diferente de motim. Quem cede a sedicioso agora, amanhã não terá mais o que ceder.

Apoie amotinados hoje. E seja derrubado amanhã.

Sublevar-se contra ditaduras e tiranias? Tudo bem!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Sobre iniquidades - Tennessee Williams



Sobre iniquidades - Tennessee Williams



"Para mim, um lugar conveniente para trabalhar é um lugar distante, em meio a estranhos, onde eu possa dar umas braçadas. Mas a vida deve exigir um mínimo de esforço de nossa parte. Você não deve ter gente demais a servi-lo, ao contrário: você devia fazer sozinho a maioria das coisas. O serviço oferecido pelos hotéis é embaraçoso. As empregadas, os garçons, os boys e os porteiros etc. são as pessoas mais embaraçosas do mundo porque continuamente estão a recordar-nos as iniquidades que aceitamos como coisas certas. O quadro de uma velhinha ofegante que carrega com enorme esforço um balde pesado d'água por um corredor de hotel para limpar a imundice de um hóspede bêbado e cheio de privilégios sociais é um quadro que me faz ficar doente e oprime meu coração, fazendo-o murchar de vergonha deste mundo, em que essa situação é não só tolerada mas considerada como a prova dos nove de que o mecanismo da Democracia está funcionando devidamente, sem interferência de cima ou de baixo."

Tennessee Williams em
“A Catástrofe do Sucesso”

O texto foi publicado no NY Times em 30-11-1947 com o título “A Streetcar named Success” quatro dias da estreia de “A Streetcar named Desire”, e posteriormente incluído como prefácio na publicação de “The Glass Menagerie”.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

O ato do Reitor reinstaura na USP uma situação análoga à da ditadura militar na sua fase mais repressiva


O ato do Reitor reinstaura na USP uma situação análoga

à da ditadura militar na sua fase mais repressiva


Importantes observações extraídas do relato de um colega que teve acesso aos autos de expulsão dos alunos acusados de ocupar o bloco G da Coseas em 2010. A situação é gravíssima: o ato do Reitor reinstaura na USP uma situação análoga à da ditadura militar na sua fase mais repressiva. Aí vai.



O processo é ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE pela ocupação do bloco G do COSEAS. Não há SEQUER UMA única linha no relatório que mencione qualquer outra acusação: nem depredação, nem extravio, nem furto, nem roubo, nem de documentos, nem de equipamentos, nada. Todos e cada um dos alunos foram julgados segundo as suposições e provas de participação ou não na ocupação e segundo sua participação e atitudes na assembléia que a decidiu. Nada mais do que isso há no relatório.


Há, então, uma não coincidência com o informado pelo reitor Rodas à imprensa
http://www.usp.br/imprensa/?p=16859, e, mais grave, à Universidade, no periódico da reitoria http://www.usp.br/imprensa/wp-content/uploads/Destaque-48.pdf



Nenhuma das acusações que a reitoria ali formula fazem parte do processo, e nada disso é sequer mencionado ao serem decididas as penalidades. O processo também não menciona os documentos que depois foram divulgados pelos acusados, em que insistiam para a retirada de documentos pela COSEAS, todos eles recebidos pela administração do órgão, como se mostra na divulgação que fez o comando de greve dos estudantes em dezembro (vide Documentos I a IV)
http://uspemgreve.blogspot.com/2011/12/carta-dos-moradores-do-crusp-em-repudio.html


Estranho que esses documentos não apareçam em um processo que inclui até notícias dos jornais.
Quanto ao embasamento legal das sanções, ele é claríssimo: o Decreto 52906/72, como se vê na página 21 anexa. Portanto, também é inverdade que a condenação se faça com base em legislação posterior, correspondente ao regime democrático. No relatório da comissão processante, só aparece esse fundamento e uma lei de 68.


O processo se origina em um B.O. (No. 861/20100) aberto no 93 D.P. do Jaguaré, onde não há acusados identificados. A identificação e processamento foram feitos com base no depoimento de guardas presentes na assembléia e na ocupação, a partir do que eles conseguiram ver, apesar de que no próprio relatório se diz que os alunos tinham o rosto coberto, impedindo a identificação. Não foi considerado necessário abrir sindicância, se atuou com base nessas informações, e deu-se início ao processo administrativo disciplinar.


Quanto à determinação de quem será punido e quem não, é evidente, ao ler as resoluções sobre cada aluno, que a condenação recai sobre aqueles que não negaram sua participação. Há, ainda, considerações claramente políticas na fundamentação. Por exemplo, na página 24 (anexa), é levado em conta, como mais um elemento de prova, que duas das acusadas eram integrantes da chapa que dirigia a associação de moradores na época. No mesmo sentido, na página 28, também anexa, se diz de um dos acusados que alega que "votou contra a deliberação da ocupação, não participou da invasão nem da ocupação, porque não concordava com a medida, o que é plausível haja vista que o denunciado é integrante da atual gestão do AMORCRUSP, oposição da chapa Aroeira, então situação (sic) no AMORCRUSP, que havia organizado a assembléia".


Em síntese, a eliminação permanente dos alunos é por ocupar um espaço e não por outras acusações, o próprio processo informa também que a comissão tinha consciência de que a ocupação era por moradia, já que o mesmo relata as reivindicações dos alunos, incluindo panfletos. E as provas foram juntadas da maneira como se vê no relatório.


Independente da opinião que mereça a cada um o procedimento de ocupação, e até a pertinência ou não das reivindicações de moradia, trata-se de um fato político muito grave porque baliza um caminho para o tratamento de conflitos evidentemente políticos na USP, bem como da aplicação, com fundamentação política (por exemplo, a qual chapa pertence cada um, ou se concorda ou não com a ocupação), do regimento herdado da ditadura. A absoluta desproporção da condenação, a perpetuidade, completa o quadro, inaugurando uma perigosa ressurreição do instrumento ditatorial, em mãos nada neutrais nem apartidárias.


Como agravante, a reitoria utiliza, como já sabíamos pelo próprio Diário Oficial, o fundamento de contar com um documento de apoio da "quase totalidade" dos dirigentes da USP, envolvendo, assim, consigo, todo aquele que não esteja disposto a dizer "eu não concordei", já que o tal documento permanece oculto.


Por que isto interessa à Faculdade? Não apenas porque 6 dos 8 alunos são da Faculdade. Custa acreditar que não exista outro desfecho possível do que afundar de modo perpétuo a vida profissional de oito cidadãos, por errados que eles estejam. Custa aceitar que essa seja a única possibilidade, sobretudo, conhecendo o que já parece ser costume no governo de São Paulo (incluída a reitoria que o representa na USP) ao lidar com protestos e movimentos sociais, que não se diferenciam dos que há no mundo todo, e não por isso são tratados, em outros lugares, como delinqüência. Mais grave ainda é que se informem erradamente as acusações. Para que, se o administrador tem certeza da justiça de seus atos?