domingo, 17 de fevereiro de 2013

Do que você se lembra?


Do que você se lembra?



Ela: Do que você se lembra?

Perguntou-me a bela mulher após o acidente.

Eu: Eu não sei.

Ela: Qual é o seu nome?

Eu: Eu... Desculpe-me, mas eu esqueci isso.

Ela: Sem problema... Você está bem?

Eu: Olha, tenho dores em minhas pernas e em meus ombros, mas estou preocupado a respeito de minha memória... Não consigo lembrar-me de nada.

Ela: Fique calmo! Após alguns dias, você irá recordar de suas imagens, nomes, movimentos etc.

Eu: Bom, se isso acontecer, por acaso, poderia vê-la novamente?

Ela: Mesmo? Por quê?

Eu: Porque você é amável e muito simpática... Você é casada?

Ela: Sim, eu sou... E você? Consigo ver um lindo anel em seu dedo da mão esquerda.

Eu: Desculpe-me. Sinto muito. Estou muito constrangido.

Ela: Eu amo muito meu marido. E nunca o trairia.

Eu: Por favor, não me leve a mal...

Ela: Tudo bem. Estou aqui para ajudá-lo. O que posso fazer para isso?

Eu:  Por gentileza, o médico já chegou aqui?

Ela: Não. Ainda não... Tente não fazer esforço, certo?

Eu: Tenho muita sede.

Ela: Não sei se isso é uma boa ideia, quer dizer, se posso lhe dar água. Além disso, você pode vir a tomar alguma medicação... Mas posso passar esse pano molhado em sua face.

Eu: Penso que seria bom... Sua mão é muito macia.

Ela: Obrigada.

Eu: Desculpe, eu não quis ser inconveniente.

Ela: Não se importe... Sabe de uma coisa? Eu acho você legal.

Som da sirene da ambulância.

Ela: O resgate chegou. Irei acompanhá-lo.

Eu: E seu marido não ficará desapontado?

Ela: Não. Estou segura de que ele ficaria furioso se eu não fosse com você.

Eu: Nossa, estou confuso… Não consigo entender essa lógica.

Ela: Depois será fácil você entender.

Dois dias depois.

Eu: Você ainda está aqui. Eu aprecio isso... Entretanto, eu acredito que seu marido não vai gostar nada dessa situação.

Ela: E sua mulher, ela sabe do acidente?

Eu: Eu não sei... Ela foi avisada?

Ela: Veja essas fotos.

Eu: Puxa vida! Você está comigo de mãos dadas... Eu não posso acreditar nisso!

Ela: Acredite! Somos casados há 9 anos. E eu o amo cada vez mais!

Eu: Só posso dizer que sou um homem de sorte. Nasci de novo e com a mulher mais maravilhosa do mundo... Obrigado, Dani!... Agora, eu lembro de tudo! Sempre te amarei!


Confira também:

Desrespeito

Volte sempre ao Blog do Agenor Bevilacqua Sobrinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário