terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Velhice e a ironia da vida


Velhice e a ironia da vida

Dignidade e respeito em todas as idades

A vida é irônica. Quando temos sabedoria, nosso corpo nos abandona. A situação é muito incômoda. Pensamos em andar, mas nossas pernas não obedecem. Queremos nadar, nos divertir e aproveitar, mas restrições severas impedem a implementação de nossos desejos e planos.

Caso não possamos andar, falar ou movimentar-se, por que viver?

Precisamos de saúde o tempo todo. Entretanto, quando envelhecemos, nossa saúde desaparece aos poucos e decididamente, e procuramos inutilmente nossas energias. Elas se foram.

Talvez, tenhamos que fazer muitos exercícios, amor, ler, andar, em outras palavras, aproveitar a vida. Então, nosso corpo, sendo cuidado com mais carinho, permanecerá forte para não nos dar tantos aborrecimentos.

Por outro lado, a expectativa de vida é mais longa atualmente. Porém, a sociedade é regulada para evitar os idosos. “Eles não são rentáveis”, “ficam doentes”; “necessitam apoio, atenção e outra velocidade”.

As preocupações dos anciões são diferentes. Imaginam como ocupar o tempo inexistente em outras gerações. A saber, a sociedade deve criar novas formas, organizações e preparar lugares para receber bem as pessoas mais velhas.

As pessoas jovens, por exemplo, têm pressa. Imaginam que jamais envelhecerão. Muitas continuam surdas às palavras e ensinamentos dos mais experientes. Embriagadas pelo vigor da juventude — e com todas as ilusões que a acompanham — acreditam ter tudo em sua tenra idade, sendo que as outras pessoas são obstáculos em seu caminho.

Mas, na medida em que o tempo passa, observamos o tamanho de nossa ignorância, nossa pequena compreensão sobre os grandes problemas da vida.

Algumas vezes somos negligentes conosco e com os outros.

Portanto, se quisermos estar bem na idade avançada, com dignidade e respeito, devemos começar agora a ver o que fazer com nosso corpo e com nossa mente. Sobretudo com as regras de nossa sociedade, produzindo uma legislação que ampare e reconheça a contribuição de cada um para todos.

Exercícios? Sim, mas na medida certa.

Não se preocupar tanto.

Muito amor e lutar pelas boas causas.

Saúde e boa idade, agora e amanhã.



Confira também:

Do que você se lembra?

A vida moderna

Revista Épica revela bastidores da Santa Sé

Nenhum comentário:

Postar um comentário