sábado, 24 de maio de 2014

PSDB quer entregar o Pré-Sal e a Petrobras para os gringos. Mas os brasileiros não permitirão. #PSDBnuncamais




PSDB quer entregar o Pré-Sal e a Petrobras para os gringos.
Mas os brasileiros não permitirão.
#PSDBnuncamais


Privataria tucana: Entreguismo de A a Z.


Caixa de Pandora Demotucana


Dica: Stanley Burburinho e @guidirezende


17/10/2006 - 12h12

FHC defende privatizações e diz que não é contra venda da Petrobras

da Folha Online

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu nesta terça-feira os resultados dos processos de privatização realizados durante o seu governo e afirmou não ser contra a privatização da Petrobras. 


O líder tucano afirmou que é demagogia do PT afirmar que um eventual governo de Geraldo Alckmin venderia o controle da empresa. FHC afirmou que "ninguém vai privatizar" a gigante estatal do petróleo, mas em seguida deixou escapar a frase "não sou contra a privatização da Petrobras".



"A Petrobras tem que ser outra coisa. Uma empresa pública, e não o que está sendo, usada para fins políticos. O Banco do Brasil tem de ser uma empresa pública, não para ser usado no Valerioduto. Você tem aí empresas que devem ser do governo, mas não devem ser usadas por um partido. E empresas que não têm sentido estarem no governo, que devem ser privatizadas", disse o ex-presidente em entrevista à "Rádio CBN".



FHC se corrigiu depois e divulgou nota informando que foi mal interpretado e que é contra a pritvatização da Petrobras.



FHC toca em um ponto sensível para a candidatura de Geraldo Alckmin. Desde o início da campanha neste segundo turno, a campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, tem explorado o fato dos governos tucanos terem sido responsáveis pela venda de patrimônio público, tanto da União quanto nos Estados.



Alckmin tem se esforçado para mostrar que não pretende realizar nenhuma privatização em um possível governo. No entanto, para FHC, o debate acerca das privatizações é arcaico, porque o que foi feito funcionou e não haveria contexto para novos processos.



"Agora, está havendo uma discussão arcaica: se deve haver privatização ou não. É claro que já houve privatização, taí, funcionou. Em outros setores, não pode haver privatização. Isso depende de circunstâncias", comentou.



FHC afirmou que se os bancos estaduais não tivessem sido privatizados, o país estaria envolvido "na inflação e na corrupção". Em seguida, citou o caso da telefonia, que, segundo ele, só expandiu o atendimento porque foi privatizada, e da Companhia Vale do Rio Doce.



De acordo com o ex-presidente, a crítica ao valor de venda da Vale deveria ser desconsiderada, porque ninguém à época queria comprar a companhia. "[A Vale] multiplicou o seu valor por dez, não porque ele valesse dez na época. Ninguém queria comprar, foi uma dificuldade alguém comprar", disse.



Lula



Fernando Henrique voltou a se dizer decepcionado com o presidente Lula. O sociólogo e ex-presidente classificou como "uma perda histórica" uma liderança "que nasceu contra tudo que havia de podre no sindicalismo, se transformar num político qualquer".



"Ele está assassinando o símbolo que ele representa pela incapacidade de entender seu momento de grandeza na história", avaliou FHC. "Não era só de ganhar a eleição. Você pode ganhar eleição de qualquer maneira, mas ganhar eleição se igualando ao que há de mais atrasado na política brasileira?"





Revista Carta Capital

Nos bastidores, o lobby pelo pré-sal



“A indústria de petróleo vai conseguir combater a lei do pré-sal?”. Este é o título de um extenso telegrama enviado pelo consulado americano no Rio de Janeiro a Washington em 2 de dezembro do ano passado.

Como ele, outros cinco telegramas a serem publicados hoje pelo WikiLeaks mostram como a missão americana no Brasil tem acompanhado desde os primeiros rumores até a elaboração das regras para a exploração do pré-sal – e como fazem lobby pelos interesses das petroleiras.

Os documento revelam a insatisfação das pretroleiras com a lei de exploração aprovada pelo Congresso – em especial, com o fato de que a Petrobras será a única operadora – e como elas atuaram fortemente no Senado para mudar a lei.

“Eles são os profissionais e nós somos os amadores”, teria afirmado Patrícia Padral, diretora da americana Chevron no Brasil, sobre a lei proposta pelo governo . Segundo ela, o tucano José Serra teria prometido mudar as regras se fosse eleito presidente.


Partilha 

Pouco depois das primeiras propostas para a regulação do pré-sal, o consulado do Rio de Janeiro enviou um telegrama confidencial reunindo as impressões de executivos das petroleiras.

O telegrama de  27 de agosto de 2009 mostra que a exclusividade da Petrobras na exploração é vista como um “anátema” pela indústria.

É que, para o pré-sal, o governo brasileiro mudou o sistema de exploração. As exploradoras não terão, como em outros locais, a concessão dos campos de petróleo, sendo “donas” do petróleo por um deteminado tempo. No pré-sal elas terão que seguir um modelo de partilha, entregando pelo menos 30% à União. Além disso, a Petrobras será a operadora exclusiva.

Para a diretora de relações internacionais da Exxon Mobile, Carla Lacerda, a Petrobras terá todo controle sobre  a compra  de equipamentos, tecnologia e a contratação de pessoal, o que poderia prejudicar os fornecedores americanos.

A diretora de relações governamentais da Chevron, Patrícia Padral, vai mais longe, acusando o governo de fazer uso “político” do modelo.

Outra decisão bastante criticada é a criação da estatal PetroSal para administrar as novas reservas.
Fernando José Cunha, diretor-geral da Petrobras para África, Ásia, e Eurásia,  chega a dizer ao representante econômico do consulado que a nova empresa iria acabar minando recursos da Petrobrás. O único fim, para ele, seria político: “O PMDB precisa da sua própria empresa”.

Mesmo com tanta reclamação, o telegrama deixa claro que as empresas americanas querem ficar no Brasil para explorar o pré-sal.

Para a Exxon Mobile, o mercado brasileiro é atraente em especial considerando o acesso cada vez mais limitado às reservas no mundo todo.

“As regras sempre podem mudar depois”, teria afirmado Patrícia Padral, da Chevron.


Combatendo a lei 

Essa mesma a postura teria sido transmitida pelo pré-candidtao do PSDB a presidência José Serra, segundo outro telegrama enviado a Washington em 2 de dezembro de 2009.

O telegrama intitulado “A indústria de petróleo vai conseguir combater a lei do pré-sal?” detalha a estratégia de lobby adotada pela indústria no Congresso.

Uma das maiores preocupações dos americanos era que o modelo favorecesse a competição chinesa, já que a empresa estatal da China, poderia oferecer mais lucros ao governo brasileiro.

Patrícia Padral teria reclamado da apatia da oposição: “O PSDB não apareceu neste debate”.

Segundo ela, José Serra se opunha à lei, mas não demonstrava “senso de urgência”. “Deixa esses caras (do PT) fazerem o que eles quiserem. As rodadas de licitações não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo funcionava… E nós mudaremos de volta”, teria dito o pré-candidato.

O jeito, segundo Padral, era se resignar. “Eles são os profissionais e nós somos os amadores”, teria dito sobre o assessor da presidência Marco Aurelio Garcia e o secretário de comunicação Franklin Martins, grandes articuladores da legislação.

“Com a indústria resignada com a aprovação da lei na Câmara dos Deputados, a estratégia agora é recrutar novos parceiros para trabalhar no Senado, buscando aprovar emendas essenciais na lei, assim como empurrar a decisão para depois das eleições de outubro”, conclui o telegrama do consulado.

Entre os parceiros, o OGX, do empresário Eike Batista, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e a Confederação Naiconal das Indústrias (CNI).

“Lacerda, da Exxon, disse que a indústria planeja fazer um ‘marcação cerrada’ no Senado, mas, em todos os casos, a Exxon também iria trabalhar por conta própria para fazer lobby”.

Já a Chevron afirmou que o futuro embaixador, Thomas Shannon, poderia ter grande influência nesse debate – e pressionou pela confirmação do seu nome no Congresso americano.

“As empresas vão ter que ser cuidadosas”, conclui o documento. “Diversos contatos no Congresso (brasileiro) avaliam que, ao falar mais abertamente sobre o assunto, as empresas de petróleo estrangeiras correm o risco de galvanizar o sentimento nacionalista sobre o tema e prejudicar a sua causa”.

Fonte: Nos bastidores, o lobby pelo pré-sal





Pre-Salt Operatorship Hinges on Brazil Presidential Elections

by  Karen Boman

De acordo com notícia do site americano Rigzone, especializado no setor de energia, a vitória dos candidatos Eduardo Campos ou Aécio Neves, teria dois efeitos imediatos: retirar o Pré-sal da Petrobras e acabar com o controle dos preços dos combustíveis para o consumidor.

O site relata palestra acontecida durante a Mayer Brown Global Energy Conference, realizada em Houston, no último dia 15 de maio.

Essa intenção das empresas petrolíferas internacionais em dominar completamente o Brasil, não é de hoje. Junte esse fato de agora, aos telegramas vazados pelo Wikileakes em 2010 (veja aqui: http://goo.gl/A0uKv1) para ter uma visão mais completa desse jogo de xadrez.

Em 2010, documentos vazados pelo Wikileaks davam conta da insatisfação das petroleiras com a lei de exploração aprovada pelo Congresso – em especial, com o fato de ter a Petrobras como única operadora – e como elas atuaram fortemente no Senado para mudar a lei.
 

“Eles são os profissionais e nós somos os amadores”, teria afirmado Patrícia Padral, diretora da americana Chevron no Brasil, sobre a lei proposta pelo governo . Segundo ela, o tucano José Serra teria prometido mudar as regras se fosse eleito presidente.

José Serra não foi eleito, como desejavam as petroleiras estrangeiras
E agora, o trabalho sujo ficou a cargo dos atuais adversários, Aécio Neves e Eduardo Campos.

Trocando em miúdos: o que é ruim para a maioria do povo brasileiro, parece ser extremamente vantajoso aos olhos de muitos investidores internacionais.

E esses mesmos investidores apostam todas as suas fichas na vitória dos dois candidatos da oposição.

É de interesse nacional que essa questão venha a público.

Leia a matéria da Rigzone aqui:

Fonte: Pre-Salt Operatorship Hinges on Brazil Presidential Elections



 



Advinhe se for capaz:



Desde 21/05/2014 nossas enquetes estão sob controle do...?

Resultados adversos ao PSDB de enquetes são zerados do "nada".
Alguma explicação, Google / Blogspot?




Confira também:



Obrigado, PSDB

7 caixas de Aécio Neves ou de seu dublê

Medidas antipopulares de Aécio Neves, candidato do PSDB

Aécio Neves e o "salário mínimo alto"

Destucanizar
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário