domingo, 7 de setembro de 2014

Marina Silva é ética?



Marina Silva é ética?


Desdém?
Arrogância?
Prepotência?
Soberba?


As eleições de 2014 reprocessam mitos reiteradamente utilizados na história política brasileira e mundial.

O mito da ética messiânica dos salvadores da pátria (Jânio Quadros e Fernando Collor são exemplos de como as ilusões dos incautos acarretam desastres concretos).

Os mitos do “ódio à política”, “a política é suja”, a solução é ser “apartidário” enchem de vazios a mente das pessoas de senso comum (aqueles que seguiram essa cartilha do fascista Mussolini colaboraram para desastres econômicos e dezenas de milhões de mortes).

Segundo a propaganda da “nova” política, Marina seria uma candidata que “representa a ética pela correção de suas posturas”.

No entanto, poderíamos indagá-la sobre contradições evidentes que a propaganda da “Fadinha da Floresta” tenta ocultar da maioria da população.

Por exemplo, ser ético pressupõe transparência, certo?

Propomos que Marina Silva responda questões singelas, pois ela pleiteia a presidência da República e se afirma “ética”, e, incoerentemente, tem sido muito opaca, intransparente e se negado a prestar contas (como todos os mortais são obrigados nessa vida).

Não adianta se dizer “perseguida”, “coitadinha”, “predestinada” e apelar para outros simulacros da tergiversação e da fuga às responsabilidades.

Vejamos uma sequência palpável de ações e comprometimentos assumidos pela candidata que muda mais de partido político do que as pessoas trocam de roupas.

Apesar de se aliar a figuras ligadas ao regime militar (família Setúbal, Bornhausen, Heráclito Fortes, Clube Militar etc.), à extrema direita religiosa e política (Ronaldo Caiado, pastores Malafaia e Feliciano), ou seja, ao conservadorismo político que por 500 anos construiu a concentração de renda vergonhosa de renda, Marina, uma política profissional, faz de conta que não tem nada a ver com a política e seu funcionamento.

Seu “marketing de santa e da pureza” procura dissociá-la de práticas condenáveis.

Mas o que ocorre na realidade das alianças e acordos de Marina Silva?

Por que instrumentaliza a “descrença na política” para fabricar ignorância e embustes?

É possível “governar com os melhores” se as instituições não são modificadas?

Destruir o Palácio do Itamaraty (como fez o líder da Rede Sustentabilidade em 2013) é a “nova” política?



Quem financia e apoia Marina Silva?

A direção de Marina


Banco Central independente. Do povo?

Pré-sal, a esperança de verdade dos brasileiros, deixado de lado.


Brasil enriquece com o Pré-sal e produz esperanças concretas para o povo.
Marina despreza o Pré-sal.
Por que ela não quer nem saber de Pré-sal?

Grandes sonegadores de impostos são bons exemplos para os cidadãos pagadores de impostos, Marina Silva?



1.
Marina é ética?
Então, por que comete crime de plágio?
Plágio é estelionato intelectual
#Plágioécrime

 Plagiar é crime no mundo real.
Não no mundo imaginário da Fadinha da Floresta e da "educadora" Neca Setúbal




2. 
Marina é ética?
Então, por que não explica os aviões fantasmas e o caixa 2 de sua campanha?
#Caixa2écrime
#AviõesFantasmassãocrimes



Por que Marina foge mais de explicar os jatinhos fantasmas e o caixa 2
de sua campanha do que o diabo da cruz?






3. 
Marina é ética?
Então, por que aceita ser financiada e apoiada por sonegadores?
#SonegarÉcrime

 Eles pagarão o que devem ao fisco com Marina na presidência?




4. 
Marina é ética?
Então, por que estimula o embuste do apartidarismo?
#Iludirapopulaçãoécrime

 A quem interessa a ladainha do "apartidarismo"?

 Malafaia manda.
Marina obedece.

Obediência ao obscurantismo é o futuro?



"Nova" política é engodo





5. 
Marina é ética?
Por que senta na cadeira da Presidência e escala ministros (repetindo FHC na eleição contra Jânio Quadros) sem ter sido eleita?
Então, por que é tão arrogante, prepotente e soberba?
#Soberbaécrimecapital

Imagine para quem ela dirige esse olhar?



Confira também:































Nenhum comentário:

Postar um comentário